sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Cacela Velha.... simplesmente deslumbrante!



Uma dezena de quilómetros a leste de Tavira fica a aldeia de Cacela, no topo de uma colina donde se avista o extremo leste da ria Formosa.
 Conquistada pelos cavaleiros de Santiago em 1249, é um povoado de ruas estreitas e casas caiadas, tendo ao fundo uma pequena fortaleza a vigiar a costa, e onde cheira amendoeira e laranjeira.
 Na parede de uma das casas, lê-se o poema de Sophia de Melo Breyner: "As praças-fortes foram conquistadas/ por seu poder e foram sitiadas/ As cidades do mar pela sua riqueza/ Porém Cacela/ Foi desejada só pela beleza".

Para chegar à praia os veraneantes recorrem ao serviço de barqueiros que os transportam numa rápida viagem através da ria.





A Península de Cacela Velha, já dentro da Ria Formosa, fica no fino cordão de areia, a que se acede por barco. É um sítio mágico, porque a dada altura, estamos rodeados de um lado pelo canal da Ria e do outro pelo oceano infinito.







Forte de Cacela Velha

Foi um castelo mouro anterior à Reconquista da Península Ibérica.
No século XVI, já em ruínas, foi reconstruído por ordens de D. João III ou de D. Sebastião. É sabido que este último inspeccionou pessoalmente as obras em 1573.
A fortificação sofreu várias vicissitudes nos séculos seguintes: relatos de 1617 esclarecem que as suas muralhas se encontravam arruinadas do lado da arriba; em 1750 a fortaleza encontrava-se arruinada, tendo ficado quase destruída com o terramoto de 1755.
Do terramoto de 1755 aos nossos dias[editar | editar código-fonte]
A atual estrutura remonta a D. Rodrigo de Noronha, que ordenou a sua reconstrução, prolongando-se os trabalhos de 1770 a 1794.
Ao final do século XIX, em 1897, as dependências do forte foram ocupadas pela Guarda Fiscal (hoje Brigada Fiscal da GNR).
Funcionou no seu interior um radar que se destinava à vigilância do espaço aéreo.
Os seus edifícios, no terrapleno, encontram-se utilizados pela corporação, razão pela qual não é permitida a visitação turística ao monumento.
Do largo fronteiro à fortaleza avista-se, para leste, o troço final da ria Formosa (que se estende até poucas centenas de metros da Manta Rota), a baía de Monte Gordo e, mais longe, já em Espanha, a Ilha Canela e a Ilha Cristina.










Igreja de Nossa Senhora da Assunção



Este antigo tempo tem origem num edifício do Século XIII, do qual conserva um pequeno portal lateral gótico. A Igreja atual data do Século XVI, tendo sofrido uma reconstrução no Século XVIII. Tem um pórtico no estilo Renascença, com os bustos dos apóstolos São Pedro e São Paulo e pilastras decoradas.

O interior é composto por três naves, com arcos e ogivas suportados por colunas com bases e capitéis ornamentados com hemisférios e cordas.O tempo inclui ainda a Capela de Nossa Senhora dos Mártires, com abóboda artesoada e arco de estilo renascença.

Tem uma imagem de Nossa Senhora da Assunção (Séc. XVIII) e dois Cristos (Séc. XVI). O tesouro sacro inclui uma cruz processional em ferro, decorada com figuras.








Cacela Velha
37º 09’ 25,03’’N, 07º 32’ 46,61’’W - VR Santo António
        

Sem comentários:

Publicar um comentário