quarta-feira, 19 de junho de 2019

Depois da maré vermelha no Algarve, pode vir aí uma nova vaga de algas que produzem bioluminescência






Depois da maré vermelha de algas que obrigou na segunda-feira a interditar a banhos várias praias do Algarve, entre Faro e Vilamoura, pode vir aí uma nova vaga de outra espécie de algas que dá "mau cheiro à água e que em concentrações muito elevadas parecem ovas de peixe, nada agradável a banhos".


O fenómeno não é, no entanto, razão para alarme explicou  a responsável do Laboratório de Fitoplâncton do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).


Alexandra Duarte Silva diz que tudo isto é naturalmente esperado e se os ventos mudarem tudo pode alterar-se e nós nem nos apercebermos que isto vai acontecer.


Algas Noctiluca scintillans


Noctiluca scintillans, comumente conhecido como o brilho do mar, e também publicado como Noctiluca miliaris, é uma espécie de dinoflagelados de vida marinha que exibe bioluminescência quando perturbada.






Depois do alerta de segunda-feira, o IPMA já identificou ao certo o nome das algas que causaram a maré vermelha: são da espécie lingulodinium polyedrum que por sua vez costuma ser substituída pela espécie noctiluca scintillans (a tal que em vez de vermelha parece ovas de peixe).




Fonte TSF

Sem comentários:

Publicar um comentário